Carregando...

Notícias

Uma obra para alertar sobre os frutos do Cerrado




Biólogo da UnB lança livro de fotos sobre frutos do Cerrado, depois de pesquisa de mais de dez anos, e faz alerta

É preciso conhecer para valorizar.
Animado por esse lema, o biólogo e doutor em botânica pela UnB Marcelo Kuhlmann pesquisou a interação entre as plantas e os animais do cerrado durante 10 anos. A imersão científica resultou nos dois volumes do livro "Frutos e sementes do cerrado", ricamente ilustrado por 3 mil fotos de 500 espécies. Mais da metade das espécies documentadas são comestíveis para seres humanos, e Marcelo faz descrições detalhadas e didáticas para todas as espécies.

Ele fez mestrado sobre a interação entre a flora e a fauna do cerrado. Observou que cada planta é mais propensa a atrair certos animais do que outra. Aves têm uma percepção muito aguçada das cores. Buscam frutinhos pequenos e coloridos fáceis de pegar e de engolir: “Frutos grandes, como a cagaita, o pequi, o cajuzinho são mais atrativos para os animais terrestres”, comenta Marcelo. “Os morcegos precisam de frutas de odor forte, como é o caso do pequi, mas a cor não é tão importante”.

Marcelo argumenta que se a gente pegar o bioma do cerrado, verá que tem 2.500 espécies vertebradas. Se observar aves e mamíferos, constataremos que metade se alimenta de frutas em suas dietas: “Existem várias espécies em que o período reprodutivo é mais ativo na primavera, quando há uma oferta maior de frutos do cerrado. Inclusive espécies migratórias aparecem em razão da quantidade de alimentos disponíveis”.
A aplicação da pesquisa tem múltiplos aspectos, mas Marcelo destaca duas: a recuperação de árvores degradadas e a alimentação humana. Com o conhecimento da interação entre fauna e flora, é possível planejar com mais eficácia a restauração ecológica por meio de plantios programados: “São os animais que dão continuidade ao processo de restauração ecológica. É um processo contínuo e dinâmico ao longo do tempo. E outra questão importante é que a maioria dos frutos que atrai a fauna serve para alimentação humana. Cataloguei 500 espécies, mais da metade são comestíveis. É uma biodiversidade imensa para a alimentação humana”.

O pesquisador defende que é preciso que os frutos estejam presentes no cotidiano das pessoas para serem valorizados. Ele é consultor da Embrapa e não vê incompatibilidade entre a produção e a preservação: “O primeiro passo é conhecer para preservar”, argumenta. “Outra questão é que a cadeia agrícola brasileira está muito focada em monocultura e pastagens por causa da produção bovina. Só que a gente olha para essas áreas e constata que estão muito degradadas e com baixa produtividade. Cinquenta por cento do cerrado foi desmatado. A Embrapa tem tecnologias para usar o cerrado sem desmatar. Elas (as plantas) têm uso alimentar, medicinal e paisagístico. Para preservar, é preciso haver atividade econômica sustentável”.


Marcelo considera importante parar com a briga de ruralistas contra ambientalistas. A produção e a preservação devem caminhar juntas. “A gente entende a importância do agronegócio, mas o agronegócio precisa compreender que o ambiente saudável é relevante para a produção. Se não, vai começar a faltar água, os solos ficarão degradados e pouco produtivos. É preciso garantir os serviços dos animais dispersadores de sementes e polinizadores de flores que se transformarão em frutos. As coisas precisam caminhar juntas”.


Histórico

DESMONTE DOS DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS

Enviado em: 23 de maio de 2016

Notícias

A GUERRA CONTRA OS POBRES NOS EUA

Enviado em: 14 de novembro de 2015

Notícias

SAIBA MAIS SOBRE OS RISCOS DA TERCEIRIZAÇÃO

Enviado em: 05 de julho de 2015

Notícias

AUDIÊNCIA PÚBLICA NA COMISSÃO DO SENADO

Enviado em: 30 de junho de 2015

Notícias

TERCEIRIZAÇÃO FOI REJEITADA EM MINAS GERAIS

Enviado em: 01 de junho de 2015

Notícias

HÁ POUCOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS

Enviado em: 06 de setembro de 2013

Notícias

Fones:(61) 3226.0732
Cel: (61) 99277.3844 - (82) 99904.2191
SCS - Quadra 02 - Bloco C - No. 41 - Conjunto 304 CEP 700315-000 - Brasília-DF
agenciasocial@agenciasocial.org.br
© 2016 Agência Social Todos os direitos reservados